As demandas por capacitação profissional aumentam cada vez mais. O funcionário que quiser “sobreviver” profissionalmente precisa ser rápido em encontrar informação, “domar” a tecnologia e ter habilidade de interagir com outros usando várias ferramentas de comunicação ao mesmo tempo.

Métodos inovativos de treinamento podem ajudar os funcionários a acompanhar essas demandas – mas infelizmente, muitas empresas continuam usando métodos antigos de treinamento, que não acompanham mais o ritmo frenético e as tendências modernas.

Nos Estados Unidos, uma pesquisa (em inglês) feita por uma empresa de consultoria descobriu que as empresas gastam dezenas de bilhões de dólares por ano para treinar funcionários, mas que a maior parte é desperdiçada porque o treinamento não é “sintonizado” para gerar resultados. A pesquisa também descobriu que os líderes “de ponta”, que geram valor para os clientes, são frequentemente esquecidos pelos programas de treinamento de liderança e desenvolvimento de talentos, e que o treinamento que os funcionários recebem não ajuda muito a trazer resultados.

Um outro relatório (também em inglês), produzido por uma organização ligada à Universidade de Harvard, afirma que uma equipe motivada “não só maximiza o investimento em pessoal e aumenta a produtividade, mas também reduz custos que impactam diretamente nos resultados da Empresa – como a rotatividade”. Contudo, nos Estados Unidos apenas 32% dos funcionários são motivados, tem entusiasmo e comprometimento pelo trabalho. Segundo a Folha de São Paulo, um trabalhador americano “produz como quatro brasileiros”, principalmente por fatores como “baixo nível educacional” e “falta de qualificação de mão de obra” – imagine os problemas de motivação por aqui…

Ao passo que “Millennials” e “Geração X” dominam o mercado de trabalho, muitas empresas estão olhando de perto os métodos de treinamento caros e ineficazes – “workshops” que duram o dia inteiro, “Powerpoint” que ninguém aguenta… Os funcionários de hoje em dia querem treinamento específico, junto com o trabalho, e com “feedback” imediato.nps

Empresas inovadoras estão optando por uma forma de treinamento mais “imersiva”, interativa, contínua – tipicamente, com muito uso de tecnologia. Muitos usam “microlearning” (microaprendizagem) – treinamento dado em porções pequenas, formatado conforme a necessidade imediata.

“Microlearning” pode ser feito de muitas formas diferentes – desde passar tarefas de pesquisa aos funcionários, pedindo que escrevam sobre o que descobriram, até a preparação de “bibliotecas” digitais montadas sob medida, com tópicos que são alterados constantemente para suprir as demandas específicas da Empresa. Desta forma, as empresas focam o treinamento em produção de conteúdo rico, em uma variedade de formatos, de modo que os funcionários possam obter o conhecimento e habilidades necessários de várias formas.

Veja algumas dicas para construir um programa de treinamento mais ágil, eficaz e eficiente:

Opções flexíveis

Estudantes não estão mais “grudados” em computadores ou “notebooks”. Eles recolhem informação do Twitter, YouTube, Pinterest e outras redes sociais. Produza conteúdo que ajude nas habilidades que eles precisam, e que possa ser consultado no momento em que é necessário, através de redes sociais ou outra ferramenta online.

curso-no-smartphone

Curtos e longos

Pode ser um vídeo de 30 segundos, focado em um ponto específico do trabalho, para ver direto no smartphone – até treinamentos mais profundos e coaching personalizado.

 

Prático e interativo

Para ser eficaz, o treinamento precisa mostrar aos funcionários a relação entre o quê você quer que eles façam, e porquê. Eles devem perceber a ligação do treinamento com as informações e habilidades que eles precisam para o trabalho, e dar oportunidades para aprender, praticar e receber feedback.

Social e divertido

A inclusão de elementos “sociais”, com compartilhamento do material, e talvez até algum tipo de “competição”, pode deixar os estudantes interessados e com vontade de voltar ao treinamento.

70-20-10

Um modelo defendido pela autora é o “70-20-10”:

  • 70% da aprendizagem vem de experiência ligada diretamente ao trabalho;
  • 20% por interações com colegas;
  • 10% através de treinamentos formais.

Para ajudar sua Empresa a se manter ágil e adaptável a um ambiente em constante mudança, aposte em soluções de treinamento interativas, adaptadas às necessidades e conectadas às atividades dos funcionários – não importa em que forma. Esteja sempre atento a novas modalidades de treinamento, para ter certeza de que seus funcionários recebem o que realmente precisam.


Este artigo foi traduzido e adaptado do original (em inglês) “Follow the 70-20-10 Model to Train Your Employees“, por Amy Fox.


Gostou do artigo?

Ficou pensando nos processos de treinamento da sua Empresa? A Trilia pode lhe ajudar a implementar um programa eficaz, modelado segundo suas necessidades, dentro de seu orçamento. Pergunte, não custa nada!

contribua com um comentário

Que tal um belo desconto nos cursos da trilia?
Responda o formulário

Workshop de Angular

Receba mais informações e participe deste evento!
ENVIAR
close-link